POUCA TINTA

POUCA TINTA
[poesia reunida]
de José António Almeida

POUCA TINTA reúne os seguintes livros/textos de poesia de José António Almeida, alguns deles em ‘versão emendada e restaurada’ pelo autor:

O REI DE SODOMA E ALGUMAS PALAVRAS EM SUA HOMENAGEM (Presença, 1993)
A MÃE DE TODAS AS HISTÓRIAS (Averno, 2008)
Doze Poemas do Tronco da Oliveira, de O CASAMENTO SEMPRE FOI GAY E NUNCA TRISTE (&etc, 2009)
OBSESSÃO (&etc, 2010)
O RAPAZ DA PÉROLA NEGRA (revista Telhados de Vidro, Averno, 2012)
ARCO DA PORTA DO MAR (&etc, 2013)

Chancela FORA DE COLECÇÃO da não (edições), dedicada a livros singulares: obras fora de circulação, poesia reunida ou seleccionada, livros-objecto ou múltiplos, entre outros com características e/ou materialização peculiares.

“A poesia não exige apenas uma disponibilidade mental.
Com humildade pede e, ao mesmo tempo, imperiosamente reclama uma disponibilidade total.
Emana de uma fonte escondida numa alta montanha que nenhum olhar alheio consegue ver na superfície pobre e plana do quotidiano de quem solitariamente a escreve.
E exige também, para ser concretizada, uma maneira de viver que é uma estranha forma de vida.
A poesia em primeiro lugar, toda nua e por inteiro – o que tem um elevado preço: moral, de saúde e financeiro –, pois o poeta é como aquele jogador que entra num casino e aposta todas as fichas no mesmo número. Mas o convívio das musas insensatas que governam a poesia compensa e recompensa essa imperdoável loucura setenta vezes sete.”
J.A.A.

19,00 
Vista Rápida
Adicionar

PROVAS IRREFUTÁVEIS DA MINHA INFERIORIDADE MENTAL

Provas Irrefutáveis da Minha Inferioridade Mental Diogo Paiva (poesia e aforismos) Cutelo, 2023 82 pp. tiragem: 200 ex.

10,00 
Vista Rápida
Adicionar

QUANDO A LUA DESCE À TERRA

Quando a Lua Desce à Terra (poesia traduzida / várias autoras) Jorge Sousa Braga revisão: Luís Filipe Parrado

14,00 
Vista Rápida
Adicionar

QUE SE DIGA QUE VI COMO A FACA CORTA

QUE SE DIGA QUE VI COMO A FACA CORTA

Miguel Cardoso

Foi esta portanto a furtiva impureza que herdámos
sem saber como, este espaço, este canto assim vago,
estes espasmos desmaiados, este tempo, este mundo,
estas arestas, estes pedaços de terra, estes dramas
de inércia e dentes pouco aguçados, os mesmos
rostos rasos ao chão, estes remorsos, estes cafés
onde nos recompomos das derrotas, este modo
de despejar os cinzeiros, estas tardes, este aclarar
da garganta para nada e os rebuçados amarelos
e doces para a tosse, a lucidez, os oscilantes sons
das campainhas, a satisfação ardente dos líquidos
raros, a gradação de intensidade das lâmpadas,
e os dias sempre os dias outra vez os dias.
 

Que se diga que vi como a faca corta, Miguel Cardoso

12,00 
Vista Rápida
Adicionar

RHEIC

RHEIC
Artur Manuel

capa de Lorena Sequeyro e arranjo gráfico de Pedro Santos

250 exemplares

10,00 
Vista Rápida
Adicionar

Rosa Sangrenta

“Rosa Sangrenta” 

Editora Nova Nórdica, 111 págs. B.

 

 

15,00 
Vista Rápida
Adicionar

SÁBIO TEMOR

SÁBIO TEMOR
Eduarda Chiote

8,00 
Vista Rápida
Adicionar

SAÍAMOS EM BANDOS DISPARANDO BRITA, PRATA, FUMOS

Saíamos em Bandos Disparando Brita, Prata, Fumos
(antologia) de João Carlos Raposo Nunes

organização, edição e introdução: Nuno Miguel Neves

Maldoror, 2022

12,00 
Vista Rápida
Adicionar

SALIVA

SALIVA
Soraia Simões de Andrade

 

o primeiro alimento sólido

Mastigava de boca fechada
imaginando redondos os ciclos,
um ornato protuberante circunscrito
à vista dum quarto para a modorra.

Trincava pão a esforço
para dos dentes não distanciar
ternura à corrente próspera
ou saudade do pão de beijo
migado sobrante pelo chão.

Pelas entranhas voltava à farinha mãe.
Estalando a língua com os maiores
dedos de uma mão podia ser livre.
Dizer não. E nunca responder.

Nunca responder afirmativamente
a desejos, crença, religião
talvez por receio, muito receio,
de neles nos afundarmos.

Batia azeda a massa perdida,
restaurada num ímpeto
homens, mulheres, filhas
filhos, irmãs, duro ar.

Cedia corpo, palato, orientação,
empurrando o fastio da boca
num impérvio caminho de ganchos
nefastos rente ao glorificado chão.

Que desfaçatez dizê-lo no êxodo
à indústria cereal de solo nosso
durante fermentação biológica,
aguada superlativa higiene nos afectos.

A verdade é que o meu corpo reagiu.
Malignamente. Sempre. A microorganismos
atirados para fornos em chamas da época.

Hipocondria espinhosa.
Qualquer fuligem revoltosa
devassada frincha ou rosto morto.
Infausta a vida que tinha.
(a que tenho)

Serena libertadora
a vida desejada.

O apetite era pernicioso.
Não saber a nada por nada querer saber
duma conhecedora alma
junto ao ruidoso fabrico
cozinhado até se desfazer da essência.

Não fosse alguém ver cilíndricas formas
suplentes no telhado ou no buraco do medo
férteis de um pai ou de uma mãe.

10,00 
Vista Rápida
Adicionar

Sapateia Açoriana

“Sapateia Açoriana”
Editora Arcádia, 1976, 92págs. B.

1ª Edição

 

 
20,00 
Vista Rápida
Adicionar

Se Me Empurrares Eu Vou

“Se Me Empurrares Eu Vou”

Assírio & Alvim,2019, 68 págs. B.

Um livro magnético, denso e inquietante, Se me Empurrares eu Vou é o livro de estreia de Maria Quintans no catálogo da Assírio & Alvim.

“o homem dorme. o homem sabe escrever um livro
na pressa da morte.
uma estrada invisível de um lugar de nada. o homem fecha a
janela. o livro.
um segundo de silêncio em quatro patas gigantes. o amor e a
morte na exaltação de um pulmão completamente cheio de
oxigénio.
o homem não gosta de casas pequenas.”

 

10,00 
Vista Rápida
Adicionar

SEBASTIÃO

SEBASTIÃO
Rosalina Marshall

Capa — Ilustração de Maria Condado

Rosalina Marshall é uma poeta portuguesa, nascida em Lisboa em 1976. Estudou Filosofia na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e fez sua pós-graduação em tradução pelo Chartered Institute of Linguists. Publicou os livros Manucure (2013), Ginecologia. Considerações em defesa da virgindade de Nossa Senhora (2014) e Clorântida (2015).

12,00 
Vista Rápida
Adicionar

SICÍLIA

Os poemas deste livro falam de coisas, casas, acidentes, encontros e desencontros, gestos, muros, paisagens, rostos, tempos, palavras e memórias

15,50 
Vista Rápida
Adicionar

SOMBRA DAS MINHAS MÃOS

SOMBRA DAS MINHAS MÃOS
(46 sonetos e uma sextilha)

António Barahona

13,00 
Vista Rápida
Adicionar

Livraria Alquimia

A Livraria Alfarrabista Alquimia foi fundada por Jorge Telles Menezes em 2012 no concelho de Cascais, com um espaço de Showroom onde recebia os clientes por marcação.

A Livraria é generalista, mas tem áreas de especialização tais como: Arte, Literatura e Poesia Portuguesa, 1ª Edições, História, Filosofia, Espiritualidade, Esoterismo e Ocultismo.

Livraria Alquimia © 2020, todos os direitos reservados. Design by: piu
X